A BIODIVERSIDADE ESTÁ AMEAÇADA PELA AÇÃO IMPETUOSA DO HOMEM!

A BIODIVERSIDADE ESTÁ AMEAÇADA PELA AÇÃO IMPETUOSA DO HOMEM!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

10 mistérios que envolvem as estrelas

10 mistérios que envolvem as estrelas

Para aqueles que não conhecem muito sobre o espaço, admirar o céu a noite pode não ser tão emocionante. Mal sabem essas pessoas que os bilhões de estrelas que preenchem o universo são extremamente variadas, e repletas de segredos tentadores. Das estrelas cadentes às explosões supernova, passando pelos buracos negros, os astrônomos estão gradualmente entendo essa grande experiência que é conhecer mais sobre as estrelas.
10 – Diamantes no céu
Quando uma estrela com a massa do sol usa seu combustível nuclear, ela expele a maior parte das suas camadas externas, sobrando apenas um núcleo quente, chamado de anão branco. Os cientistas já especularam que, no fundo de uma anã branca, com 50 quilômetros de diâmetro, há oxigênio e carbono cristalizado, similar a um diamante. E, em 2004, eles descobriram que uma estrela anã branca, perto da constelação de Centauro, era formada por carbono cristalizado, pesando 2,5 milhões de trilhões de trilhões de quilogramas. Não tem nem ideia de quanto isso significa? Nem eu… Mas, se convertermos para quilates, a pedrinha teria 10 bilhões de trilhões de trilhões de quilates. O suficiente para ficar rica.
9 – Corpos estelares
Magnestrelas são estrelas densas de nêutrons – um tipo de corpo estelar – com campos magnéticos bilhões de vezes mais fortes do que qualquer um na Terra. Elas liberam flashes de raios-X a cada 10 segundos, e ocasionais raios gama. Elas não eram classificadas com um tipo específico até 1998, quase duas décadas depois da primeira observação de sua luz: em março de 1979, uma nave observou radiação equivalente à energia liberada pelo sol em 1.000 anos, vindo da localização de uma supernova, a N49.
8 – Agrupamentos estelares
Os agrupamentos são compostos de muitas estrelas que se desenvolvem ao mesmo tempo. Uns contém dúzias, outros milhões de estrelas. Alguns deles podem ser vistos a olho nu, como a Plêiades, na constelação de Touro. Estrelas costumam se formar em uma mesma região, mas porque algumas continuam juntas, é um mistério.
7 – Estouros estelares
Pensa-se que um terremoto estelar é a fissura da superfície de uma estrela de nêutrons, parecido com um terremoto terrestre. Em 1999, astrônomos identificaram esses eventos como a causa de raios-X e gama vindos de estrelas desse tipo. A previsão desse tipo de acontecimento continua sem solução.
6 – Super estrelas
Uma estrela de nêutrons nasce após uma supernova, que comprime o núcleo da estrela (com uma massa maior do que a solar) moribunda até virar uma bola com o diâmetro de uma pequena cidade. A um passo de virar buraco negro, as estrelas de nêutrons são um dos objetos mais densos do universo. Uma colher de chá dela pesaria alguns bilhões de toneladas aqui na Terra.
Em 2005, cientistas da NASA descobriram a fonte de raios gama, que emite luz igual a 100 mil trilhões de sóis, e resolveram um mistério de 35 anos. Quando duas estrelas de nêutrons colidem, a uma velocidade de dezenas de milhares de quilômetros por segundo, elas emitem os raios.
5 – Raios estelares
Uma nova classe de estrelas, batizadas de rotating radio transients (RRATs), são muito volúveis. São estrelas de nêutrons muito comprimidas que emitem ondas de rádio que duram muito pouco tempo, em torno de dois milissegundos, com intervalos que podem chegar a três horas.
Para dificultar o estudo, elas não apenas têm vida curta, mas também os cientistas têm que separar as emissões delas das da Terra. Mas objetos não faltam: podem existir centenas de milhares delas, só na Via Láctea.
4 – Grupos estelares
As estrelas não são solitárias, como já deve ter pensado. Hoje, astrônomos afirmam que 85% das estrelas da nossa galáxia residem em grupos. Mais da metade de todas elas são binárias, ou estão atraídas pelo mesmo campo gravitacional. Quando três ou mais se unem, é dado o nome de sistema estelar múltiplo. Em 2005, astrônomos apresentaram evidências do primeiro planeta orbitando um sistema binário.
3 – Explosões enigmáticas
A catastrófica explosão de uma estrela emana ondas de choque que irradiam a 35 milhões de quilômetros por hora. A morte de algumas estrelas pode ser um evento espetacular. Quando a estrela tem mais do que oito vezes a massa do sol, sua explosão de matéria e luz tem o nome de supernova. Desde a supernova de Johannes Kepler, em 1604, os astrônomos nunca testemunharam uma em nossa galáxia.
2 – Raios solares
A atmosfera solar, ou coroa, pode atingir espantosos dois milhões de graus Celsius, e pode disparar partículas altamente energizadas a quase a velocidade da luz. Esses grupos de partículas aceleram através dos campos magnéticos que circundam a Terra, podendo interromper comunicações, tecnologias de satélite, sistemas eletrônicos e até celulares. Algumas “tempestades solares” podem liberar milhões de bombas de hidrogênio em energia, o suficiente para iluminar os Estados Unidos por 100 mil anos. Os cientistas estão apenas começando a entender o funcionamento interno do Sol, e talvez no futuro vão conseguir prever essas “chamas”.
1 – Anjos da morte
Buracos negros são tão densos que nada escapa de seus campos gravitacionais. Uma vez que você entre no horizonte desse corpo, nem a luz consegue escapar. Agora, os astrônomos têm boas evidências para a existência de buracos negros estelares, formados após a morte de estrelas massivas, assim como buracos negros super massivos, com massas de cair o queixo, superiores a milhões de sóis.

Forte terremoto atinge a Sibéria

Forte terremoto atinge a Sibéria

Tremor teve magnitude de 6,6, segundo agência dos EUA.
Não havia informação sobre vítimas ou danos.

Um forte terremoto de magnitude 6,6 atingiu a região da Sibéria, na Rússia, nesta terça-feira (27), segundo o Serviço Geológico dos EUA.
O tremor ocorreu às 22h21m locais, 13h21 de Brasília.
O epicentro foi localizado a 6,9 km de profundidade, e a 94 km da cidade de Kyzyl.
Ainda não havia informação sobre vítimas ou danos.

Foguete reentra na atmosfera e produz bola de fogo sobre a Europa


 
26 dez 2011 -

Foguete reentra na atmosfera e produz bola de fogo sobre a Europa


Uma gigantesca bola de fogo assustou muita gente em diversas cidades da Europa na véspera de Natal. Muitos acharam que o bólido era um grande cometa ou meteoro prestes a se chocar contra a Terra, mas na verdade era mais um pedaço de lixo espacial reentrando na atmosfera.

 

A bola de fogo surgiu nos céus da Europa por volta das 16h26 UTC (14h26 pelo horário de Brasília), depois que o estágio superior de um foguete do tipo Soyuz atingiu a altura orbital crítica e se rompeu na alta atmosfera. O evento foi rápido, mas pode ser visto por milhares de pessoas na Alemanha, Holanda, França, Luxemburgo, Suíça, Bélgica, Itália, Dinamarca e República Tcheca.

O foguete foi lançado do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, no dia 21 de dezembro de 2011. A bordo da nave estavam o cosmonauta russo Oleg Kononenko e os astronautas Don Pettit, da Nasa e Andre Kuipers, da Agência Espacial Europeia. O objetivo do voo era levá-los à estação espacial Internacional, ISS.

Após entrar em órbita e colocar o módulo com os tripulantes a caminho da ISS, o estágio superior - oficialmente chamado Soyuz R/B 38037/2011-078B - ainda permaneceu em órbita por alguns dias. Por estar em baixa altitude, a nave sofre a influência do forte arrasto na atmosfera superior e lentamente perde altitude a cada revolução.

Essa é dinâmica é normal e esperada para esse tipo de voo e em pouco tempo a nave atinge uma altitude crítica e se incendeia na alta atmosfera.

Normalmente, a reentrada dos foguetes Soyuz com destino à ISS se dá sobre áreas pouco populosas, mas algumas vezes pode ocorrer acima de porções continentais, permitindo que milhares de pessoas acompanhem a queima do foguete.

Apesar de ter sido um fato inesperado para os habitantes europeus, a queda do foguete já estava bem calculada e prevista pelo aplicativo Satview-Apolo11, que alguns dias antes já informava o dia e hora da reentrada com menos de 100 minutos de margem de erro, além de ter ficado em destaque na capa do Apolo11.com.


Vídeo: Estágio superior do foguete Soyuz R/B 38037/2011-078B no momento em que cruzava em chamas os céus da Alemanha, em 24 de dezembro de 2011. Crédito: Youtube, Apolo11.com

Ler mentes será banal e DNA a password para tudo

Ler mentes será banal e DNA a password para tudo

http://www.redorbit.com/media/uploads/2011/12/tech-122011-005-617x416.jpg
«IBM 5 in 5» 2011: As cinco inovações dos próximos cinco anos
A «IBM 5 in 5» é uma iniciativa desta empresa que visa, todos os anos, dar uma visão dedicada a cinco inovações que vão mudar, ao longo dos próximos cinco anos, a forma como as pessoas trabalham, vivem e se divertem. Segundo a empresa de soluções informáticas produziremos a nossa própria energia, não precisaremos de mais passwords, ler a mente será possível, exclusão digital deixará de existir, assim como o lixo electrónico.
Tudo aquilo que se move tem o potencial de criar energia, tal como as sapatilhas para correr, andar de bicicleta e até mesmo a água que corre nos canos das nossas casas. O avanço da tecnologia no campo das energias renováveis vai permitir armazená-la a partir de pequenos dispositivos e usá-la depois nas nossas casas, locais de trabalho e cidades.
As nossas características biológicas são o código da nossa identidade e, em pouco tempo, tornar-se-ão também a chave para salvaguardar a nossa individualidade. As informações biométricas de cada indivíduo são únicas: as características faciais, a leitura da retina e os arquivos de voz serão transformados num software que permitirá criar a nossa própria ‘password’ através do ADN. Seremos capazes de fazer login num dispositivo móvel ou efectuar operações no multibanco proferindo simplesmente o nosso nome ou olhando para uma câmara.
http://www.cienciahoje.pt/files/52/52289.jpg
DNA individual poderá ser novo código de multibanco.
Os cientistas estão a estudar a melhor forma de ligar o nosso cérebro a alguns dispositivos, como um computador ou um smartphone, para que haja transferência de pensamentos. Por exemplo, bastará pensarmos em ligar a alguém, para que isso aconteça. Os cientistas já começaram a desenhar auscultadores com sensores avançados para ler a actividade eléctrica do cérebro, que podem reconhecer expressões faciais, os níveis de excitação e de concentração e pensamentos de outra pessoa sem que seja necessário fazer algo do ponto de vista físico.
Em cinco anos, tanto ricos como pobres terão acesso rápido e fácil a todo o tipo de informações devido aos avanços na tecnologia móvel e aos preço cada vez mais reduzidos dos telemóveis. Os países emergentes serão capazes de usar a tecnologia móvel para proporcionar informações essenciais às populações, como previsões de tempo, e servi-las melhor com novas soluções, como saúde à distância.
Daqui a cinco anos, os anúncios não solicitados que hoje enchem as nossas caixas de correio electrónico tornar-se-ão tão personalizados que até vai parecer que o spam deixou de existir. Na realidade, os sistemas serão capazes de filtrar e encontrar apenas os dados que são importantes e relevantes para nós, transmitindo-nos a informação que realmente precisamos sem que seja necessário procurá-la.
A iniciativa «IBM 5 in 5» é baseada em tendências sociais e de mercado que se espera que transformem as nossas vidas, bem como nas tecnologias emergentes dos laboratórios da IBM em todo o mundo que podem tornar essas inovações numa realidade.
Fonte: CiênciaHoje

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Eclipses que influenciarão 2012

Eclipses que influenciarão 2012

Eclipses que influenciarão 2012


Os eclipses anuais são geralmente quatro: dois lunares e dois solares. Eles acontecem quando se alinham de alguma forma, a Terra, a Lua e o Sol. Os eclipses acontecem por causa de uma estranha coincidência celeste, mas os astrólogos não acreditam em coincidências e, portanto, a sincronicidade destes acontecimentos têm uma efeito que pode ser definido como um ‘recado de Deus’.

Um eclipse do Sol é um fenômeno de rara beleza, privilégio dos seres que habitam o Planeta Terra. Trata-se do resultado de uma interessante coincidência entre as dimensões do nosso satélite natural, a Lua, e a distância com a nossa estrela, o Sol. A Lua tem um diâmetro de aproximadamente 3.476 km e encontra-se a uma distância média de 384.400 km da Terra. O Sol, que tem um diâmetro de 1.392.000 km (cerca de 400 vezes maior do que a Lua), fica a uma distância de 150 milhões de km, ou seja, aproximadamente 400 vezes mais distante do que a Lua. Como conseqüência, os diâmetros aparentes do Sol e da Lua, vistos a partir da Terra são muito parecidos. Um eclipse ocorre sempre que a Terra, a Lua e o Sol estão perfeitamente alinhados entre si. Os eclipses solares podem ser totais, parciais ou anulares e acontecem duas vezes por ano. Eles são vistos durante o dia (pois o Sol precisa ser visível) e quando a Lua se interpõe entre nosso astro rei e a Terra. Dependendo de onde estivermos, podemos observar esse maravilhoso fenômeno que tanto assombrou os homens desde os tempos remotos.

Para que o Eclipse lunar ocorra, é necessário que a Terra projete sua sombra sobre a Lua, interpondo-se entre esta e o Sol. A Lua vai perdendo seu brilho aos poucos e, por vezes, acaba por desaparecer completamente. Para que isso ocorra é necessário que o alinhamento entre a Terra, a Lua e o Sol sejam exatos. Torna-se igualmente necessário para este efeito que tanto a Terra como a Lua estejam posicionadas na linha dos nodos. Os nodos lunares (ou nós lunares) são pontos fictícios no céu e são considerados pontos nevrálgicos do mapa natal de uma pessoa e tendo uma relação especial com o Tikkun (carma) da pessoa. Por essa razão, os eclipses lunares são bastante importantes dependendo do ponto onde eles acontecem em relação ao nosso mapa natal de uma pessoa ou de um país. Para que um eclipse aconteça, portanto, precisam estar reunidas as condições necessárias de alinhamento. Se todo este alinhamento acontecer quando a Terra está entre o Sol e a Lua, observando-se a fase lunar de Lua Cheia, acontece um eclipse lunar total que pode ser acompanhado por todos os observadores posicionados num mesmo hemisfério da Terra em que seja noite no momento do eclipse.

Se o posicionamento da Lua ou da Terra não for exatamente na linha dos nodos, desde que não haja um desvio muito significativo, deixaremos de ter a possibilidade de observar um eclipse lunar total, podendo observar um eclipse parcial ou penumbral. Temos então três tipos possíveis de eclipses lunares: totais, parciais e penumbrais.

Prever a ocorrência de um eclipse, seja lunar ou solar, não é uma proeza recente. Alguns milénios antes de nós, os chineses sabiam, que todos os eclipses se repetem, pela mesma ordem, após um prazo de 18 anos e 11,33 dias ou 18 anos e 10,33 dias, conforme o número de anos bissextos que ocorram durante este prazo. Este intervalo de tempo chamamos o ciclo de Saros. A causa para esta repetição é simples. Um eclipse apenas pode ocorrer se a Lua e o Sol estão muito próximos dos nodos da órbita lunar e se a Lua está Cheia (eclipse lunar) ou Nova (eclipse solar). A Lua precisa 27,21 dias para voltar para o mesmo nodo (designados como pontos de Dragão, daí o nome do mês dracónico = 2 passagens pelo mesmo nodo).
No ano de 2012 acontecerão 4 eclipses, dois solares e dois lunares.

ECLIPSE SOLAR ANULAR DE 20 DE MAIO
O primeiro Eclipse Solar do ano acontecerá em 20 de maio, com o Sol e a Lua a 0º20 do signo de Gêmeos em alinhamento com o nodo sul, portanto quando acontece a Lua Nova. O eclipse será anular, ou seja, ele deixará perceber parte do Sol ao redor da Lua que irá se interpor entre a Terra e o Astro Rei. O eclipse será visto desde a Ásia (China, Japão), Oceano Pacifico Norte e o Oeste dos Estados Unidos. Estes serão portanto os países que terão algum acontecimento importante nos meses sucessivos (até o próximo eclipse). No mapa do Brasil Independência O eclipse coincidentemente cairá quase em conjunção com a Lua do mapa natal que também está em conjunção com Júpiter. Isso poderá marcar o inicio de um evento de grande importância que afetará positivamente o povo com euforia. Júpiter rege mundialmente os jogos esportivos coletivos, e especialmente o futebol. Porém, é relacionado também com assuntos da justiça, imprensa, mídia, e dividas e ônus financeiros.

ECLIPSE LUNAR PARCIAL DE 04 DE JUNHO
O primeiro eclipse lunar de 2012 acontece em 04 de junho com a Lua em Sagitário e o Sol no signo de Gêmeos, seguindo de perto o eclipse solar. O eclipse será parcialmente visível também no lado oeste do Brasil, mas será visível por inteiro somente na Austrália e no Oceano Pacífico. Este eclipse acontece na cúspide da Casa 5 do mapa do Brasil e indica uma focalização importante na área da educação, da infância, das crianças em geral. Quando a Lua é eclipsada pela terra é o racional que prevalece sobre o emocional e portanto são os dirigentes dos países irão dispor de leis em relação com o Signo astrológico representado no eclipse. A área da educação será amplamente focalizada.

ECLIPSE SOLAR TOTAL DE 13 DE NOVEMBRO
O segundo eclipse solar de 2012 será total e ocorrerá com a Lua e o Sol a 21º de Escorpião. O caminho da sombra da Lua irá cruzar o Pacífico Sul promovendo um eclipse parcial no norte da Austrália. A America do Sul e parte da Antártica também verão parte do eclipse. O Sol e afetam o Meio do Céu do Brasil indicando um período de focalização dos dirigentes do nosso país, como Presidente da República ou das casas do Congresso. Pode ocorrer inclusive a morte de um chefe de Estado nos países afetados pelo eclipse e nos meses sucessivos.

ECLIPSE LUNAR PENUMBRAL DE 28 DE NOVEMBRO
O ultimo eclipse lunar de 2012 acontecerá no sino de Sagitário e será um profundo eclipse penumbral que poderá ser visto a olho nu, principalmente no Canadá oriental e nos Estados Unidos no por do sol mas somente parcialmente. O Alaska, Havaí, Austrália e Ásia terão o eclipse em sua plenitude. Este eclipse afetará novamente a Casa 10 do Brasil e portanto salientará a área relativa aos nossos dirigentes. Porém a Lua se encontrará em Gêmeos sobre a Lua do mapa Natal do Brasil e igualmente em conjunção com Júpiter. Novamente poderemos salientar os assuntos dos jogos coletivos, olímpicos, copa do mundo, etc. e de maneira geral a educação e a mídia.
Você, caro leitor, precisará observar em qual casa astrológica (ou seja em qual área de sua vida) os eclipses irão cair. Eles salientarão assuntos tanto mais importantes se eles afetarem algum planeta pessoal (além do Sol e da Lua, Mercúrio, Venus, Marte, Júpiter e Saturno) ou desencadearem algum aspecto do mapa natal.



Faça acontecer milagres em sua vida: VOCÊ PODE!
Uma semana cheia de Luz divina para todos!
STUM POR:: Graziella Marraccini ::  
São Paulo, 7 de dezembro de 2012

Cientistas criam vírus capaz de matar 6 em cada 10 infectados

Cientistas criam vírus capaz de matar 6 em cada 10 infectados

20/12/11

Cientistas criam vírus capaz de matar 6 em cada 10 infectados


Soldados do Exército alemão preparam-se, em 2006, para conter o surto de gripe aviária em uma vila do país
Foto: Arnd Wiegmann/Reuters


O Globo
RIO - Parece um roteiro de Hollywood, mas é bastante real. Cientistas europeus e americanos criaram em laboratório uma linhagem mortal do vírus da gripe aviária, capaz de infectar e matar milhões de pessoas, segundo revelou uma reportagem exclusiva publicada pelo jornal inglês "The Independent". A notícia gerou temores entre especialistas em biossegurança de que as informações caiam nas mãos de terroristas que possam usar o agente como arma biológica de destruição em massaO governo dos EUA pediu ontem que a sequência genética do vírus alterado não seja revelada na publicação do estudo.

Há o temor também de que um acidente acabe deixando escapar o micro-organismo. Alguns cientistas questionam se esse tipo de pesquisa poderia ter sido feita num laboratório de universidade e não numa instalação militar.

— O medo, ao se criar algo tão mortal assim, é que se transforme numa pandemia global, com altas taxas de mortalidade e custos excessivos — explicou um conselheiro científico do governo americano, na condição de anonimato, ao jornalista Steve Connor, do periódico inglês. — O pior cenário nesse caso é muito pior do que se pode imaginar.

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram provocar uma mutação na linhagem H5N1 da gripe aviária, tornando-a mais facilmente transmissível pelo ar. A linhagem da gripe aviária matou centenas de milhares de aves, desde que foi descoberta pela primeira vez, em 1996, mas, até agora, infectou apenas cerca de 600 pessoas que tiveram contato direto com as aves doentes.

Seis em cada dez infectados morrem
O que torna o H5N1 tão perigoso, no entanto, é que ele matou cerca de 60% das pessoas infectadas — tornando-o uma das mais letais formas de influenza na História moderna — uma capacidade de matar moderada apenas por sua inabilidade (até agora) de se espalhar facilmente entre humanos. O vírus alterado em laboratório, no entanto, se transmite facilmente entre os humanos.
Cientistas que realizaram a controversa experiência descobriram que é mais fácil do que se imaginava transformar o H5N1 numa linhagem altamente infecciosa de gripe. Eles acreditam que o conhecimento adquirido com o estudo seria vital para o desenvolvimento de novas vacinas e drogas.
— Trata-se de uma pesquisa muito importante — afirmou a diretora de políticas científicas do Instituto Nacional de Saúde dos EUA, que patrocinou o estudo, Amy Patterson. — À medida que os vírus evoluem na natureza, queremos estar preparados para saber detectar rapidamente mutações que podem indicar que eles estão $aproximando de uma forma que o torne capaz de cruzar a barreira das espécies mais rapidamente.
Mas os críticos dizem que os cientistas colocaram o mundo em risco ao criar uma forma de gripe extremamente perigosa. Cientistas têm poucas dúvidas de que a nova linhagem de H5N1 criada — resultado de apenas cinco mutações em dois genes-chaves — tenha o potencial de causar uma pandemia humana devastadora que poderia matar dezenas de milhões de pessoas. O estudo foi feito em furões, que, quando infectados com influenza, são considerados os melhores modelos animais para se estudar a doença humana.
Os detalhes do estudo são considerados tão delicados que foram examinados pelo Conselho Nacional de Ciência para Biossegurança do governo americano, que pediu às revistas "Science" e "Nature", às quais o estudo foi submetido, que não publiquem a sequência genética completa.
— Essas são áreas da ciência em que a informação precisa ser controlada — afirmou um cientista do conselho, que falou na condição de anonimato ao "Independent". — Os exemplos mais extremos são, por exemplo, como fazer uma arma nuclear ou qualquer arma que possa ser usada para matar pessoas. Mas as ciências biológicas não tinham se deparado com uma situação dessas antes. É realmente uma nova era.

O estudo foi feito por um grupo de cientistas holandeses coordenado por Ron Fouchier, do Centro Médico Erasmus, em Roterdã; e também por Yoshihiro Kawaoka, da Universidade de Wisconsin-Ma$, nos EUA.

"Descobrimos que isso é, de fato, possível e mais fácil do que se imaginava. No laboratório, foi possível transformar o H5N1 num vírus de transmissão por aerossol que pode se espalhar rapidamente pelo ar", informou Fouchier em comunicado oficial. "Esse processo também poderia ocorrer num ambiente natural."

Autor do estudo defende experiência
Para justificar a experiência, ele afirmou: "Sabemos por qual mutação procurar no caso de um surto e poderemos, então, interrompê-lo antes que seja tarde. Além disso, a descoberta ajudará no desenvolvimento de vacinas e remédios."
Alguns cientistas questionaram se esse tipo de pesquisa deveria ser feito num laboratório de universidade, sem a segurança contra terroristas existente em instalações miltiares. Eles ressaltaram também que vírus experimentais já escaparam acidentalmente de laboratórios aparentemente seguros em outras ocasiões, causando epidemias humanas — caso da gripe de 1977.
— Há quem diga que um trabalho como esse não deveria nunca ser feito ou teria de ser em um local onde toda a informação pudesse ser controlada — afirmou uma fonte próxima ao Conselho de Biossegurança. — A tecnologia (de engenharia genética) é hoje comum em muitas partes do mundo. Com a sequência genética, é possível reconstruí-lo. Por isso a informação é tão perigosa.

OS OITO VERSOS QUE TRANSFORMAM A MENTE

OS OITO VERSOS QUE TRANSFORMAM A MENTE


Ocorreu um erro neste gadget

LIKE-FACEBOOK

VISITORS

free counters

solar terrestrial data