A BIODIVERSIDADE ESTÁ AMEAÇADA PELA AÇÃO IMPETUOSA DO HOMEM!

A BIODIVERSIDADE ESTÁ AMEAÇADA PELA AÇÃO IMPETUOSA DO HOMEM!

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Cometa ISON se aproxima e telescópio Hubble registra novas imagens

Cometa ISON se aproxima e telescópio Hubble registra novas imagens


Nos próximos dias, o super cometa C/2012 S1 ISON deverá deixar a região espacial conhecida como "linha de congelamento" e passará a receber radiação solar suficiente para evaporar o gelo de sua estrutura e fazer seu brilho aumentar. O show está só começando.
Cometa Ison em múltiplas exposições
Clique para ampliar
Durante sua jornada rumo ao Sistema Solar interior, o cometa ISON não encontrou radiação solar suficiente para fazer o gelo em sua estrutura evaporar, já que se encontrava sob as baixíssimas temperaturas do espaço, próximas a 200 graus negativos.
Entretanto, à medida que se aproxima do Sol os efeitos da radiação começarão a produzir efeitos. E isso está para acontecer.
Zona de CongelamentoNeste momento, ISON está a 420 milhões de quilômetros do Sol e os últimos cálculos mostram que no final de julho e começo de agosto o cometa sairá da "zona congelada", uma região que começa a 370 milhões km do Sol e fria o suficiente para que os compostos de hidrogênio como a água, amônia e metano se condensem em grãos sólidos de gelo.
Saindo dessa zona, o gelo de ISON vai passar a evaporar muito mais rapidamente, o que fará seu brilho aumentar.
ImprevisívelO interessante é que a partir desse momento tudo pode acontecer, até mesmo a ruptura do cometa em vários pedaços como já aconteceu com outros objetos semelhantes após atravessarem a linha de congelamento.
Em sua rota de aproximação, em 1 de outubro ISON passará a apenas 10 milhões km do planeta Marte e caso se comporte direitinho, em 28 de novembro deverá contornar o Sol com brilho mais forte que o da Lua cheia, embora nenhum pesquisador, profissional ou amador, coloque a mão no fogo por isso.
Depois disso, em 27 de dezembro o cometa passará a apenas 63 milhões de km da Terra, mas se risco de colisão.
Cometas mais BrilhantesAté hoje, o cometa mais brilhante já observado e que teve sua magnitude estimada foi C/1965 S1 Ikeya-Seki, que em 1965 foi visto à luz do dia ao brilhar com 10 magnitudes negativas. Depois dele foi a vez de C/2006 P1 McNaught, o segundo cometa mais brilhante já registrado. McNaught atingiu magnitude negativa de -5.5 e se tornou um show no céu de todo o mundo, inclusive no Brasil, onde também pode ser visto à luz do dia.
ISON: Muito BrilhanteDe acordo com alguns modelos de magnitude, o brilho de C/2012 S1 ISON poderá atingir até 19 magnitudes negativas. Isso é cerca de 4000 vezes o brilho que do cometa C/1965 S1 Ikeya-Seki apresentou em 1965 ou então 40 vezes o brilho da Lua Cheia.
No entanto, em uma projeção feita pelo Apolo11 usando o modelo SSD (Solar System Dynamics), da Nasa, a menor magnitude (maior brilho) alcançada foi de -11.64 magnitudes, a ser observado no dia 29 de dezembro de 2013.
Apesar de ser uma diferença muito grande para outros modelos, ainda assim o brilho de C/2012 S1 ISON será quase três vezes maior que o do cometa Ikeya-Seki ou 25 vezes mais intenso que o do cometa C/2006 P1 McNaught, que chamou muito a atenção em 2007 e pode ser visto até mesmo durante o dia, inclusive nas grandes capitais.
Fotos: no topo, cometa C/2012 S1 ISON visto pelo telescópio Hubble. Na cena, o cometa parece ter três núcleos, mas essa aparência é devido às múltiplas exposições feita pelo telescópio, que manteve as estrelas de fundo imóveis. Isso permitiu registrar o deslocamento do cometa. Acima, gráfico mostra o deslocamento orbital de ISON em direção ao Sol. Créditos: Hubblesite, NASA, Apolo11.com. Direitos Reservados É vedada a utilização deste texto Leia nosso Termo de Uso e saiba como publicar este material em seu site ou blog 



Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

LIKE-FACEBOOK

VISITORS

free counters

solar terrestrial data